[ URGENTE ] P0lícia Civil vai investigar conhecid0 profess0r que apoi0u atentad0 à crech3 em...ver mais

CNN ✅⚡✅ 10/04/2023 Relatar Quero comentar

PUBLICIDADE

Professor que 'apoiou' ataque a creche em Blumenau será investigado por apologia ao crime

Docente de escola em Joinville disse, em vídeo gravado por alunos, que 'mataria uns 15, 20'; ele será intimado a depor na próxima segunda-feira

A Polícia Civil de Santa Catarina (PC-SC) instaurou um inquérito para apurar a conduta de um , ocorrido na quarta-feira. O docente afirmou em sala de aula que "mataria uns 15, 20", em referência ao ato criminoso praticado por um homem de 25 anos que invadiu a unidade de ensino e assassinou quatro crianças.

PUBLICIDADE

O delegado-geral da PCSC, Ulisses Gabriel, informou ao GLOBO que o professor é suspeito de apologia ao crime.

— Entrar com dois facões, um em cada mão e 'pá'. Passar correndo e acertando — disse o professor em vídeo gravado por alunos.

O professor será intimado na próxima segunda-feira a prestar depoimento. A PCSC também quer ouvir os relatos da direção escolar e de testemunhas.

"Em relação ao episódio envolvendo o professor da escola estadual Georg Keller, a Polícia Civil de Joinville instaurou procedimento para apurar os acontecimentos, em princípio relacionados ao delito de apologia ao crime e ao fato criminoso ocorrido em Blumenau, na última quarta-feira, envolvendo o ataque a creche escolar", diz nota da Polícia Civil.

PUBLICIDADE

Após a divulgação das imagens, pais e alunos pediram a expulsão do profissional. A Secretaria de Estado de Educação de Santa Catarina informou que vai apurar a conduta do professor.

Em nota, a Secretaria disse que "está tomando todas as medidas cabíveis" e fará a "verificação dos fatos para dar andamento ao processo".

Uma jovem ouvida pelo portal NSC Total, aluna do primeiro ano do ensino médio, conta que a turma estava conversando sobre a tragédia em Blumenau, quando o professor entrou na conversa e afirmou que "mataria mais do que quatro pessoas, pois a população está muito grande".

PUBLICIDADE

Ainda segundo essa jovem, o professor costuma fazer comentários preconceituosos e de ódio em diversas ocasiões. Ela diz que certa vez uma colega confessou estar triste durante uma aula, e o professor teria sugerido que ela retirasse a própria vida para "poupar oxigênio no mundo".

— Ele diz que mulher não deve ter os mesmos direitos dos homens. Ele xinga nas aulas. Ninguém gosta das aulas dele, todos ficam desanimados. O que ele ensina é errado — acrescenta a jovem, ao portal NSC Total.

PUBLICIDADE

Esclarecimento aos leitores sobre cobertura de ataques e massacres pelo Grupo Globo

A respeito do ataque ocorrido a uma creche em Blumenau (SC), no qual quatro crianças foram mortas e outras cinco, feridas, o Grupo Globo divulgou nota sobre as diretrizes que orientam a cobertura de casos de ataques e massacres de seus veículos de imprensa:

"Os veículos do Grupo Globo tinham há anos como política publicar apenas uma única vez o nome e a foto de autores de massacres como o ocorrido em Blumenau. O objetivo sempre foi o de evitar dar fama aos assassinos para não inspirar autores de novos massacres.

PUBLICIDADE

Essa política muda hoje e será ainda mais restritiva: o nome e a imagem de autores de ataques jamais serão publicados, assim como vídeos das ações.

A decisão segue as recomendações mais recentes dos mais prestigiados especialistas no tema, para quem dar visibilidade a agressores pode servir como um estímulo a novos ataques. Estudos mostram que os autores buscam exatamente esta "notoriedade" por pequena que seja. E também não noticiamos ataques frustrados subsequentes, também para conter o chamado "efeito contágio".

PUBLICIDADE

Comentário do usuário
Você pode gostar